Os Akpalos

Oriente e Ocidente

Foi por isto que o livro fascinacte e generoso de Shklovski, diretor do Instituto de Astronomia da Universidade de Moscou, publicado em francês em l967, passou práticamente despercebido. No entanto, pela extensão da informação, pelo rigor científico, pela ousadia das hipóteses e pela imensidão das idéias propostas era a reflexão mais fecunda até o momento sobre a vida e a razão de ser no universo! 0 livro surpreendia o leitor por sua intensa liberdade. Shklovski desconhecia as limitações do especialista, dos preconceitos doutrinários e políticos. Colocava seus raciocínios cientificos sob a proteção dos poetas e dos visionários. Assistíamos à manifestação de uma inteligência nesta cultura de amanhã , cuja esperança levou Clarke a dizer: “Não levaremos nossas fronteiras para o céu”.

Ao receber a obra em russo, Carl Sagan, professor de astronomia em Harvard, diretor do Observatório de Astrofísica de Cambridge, em Massachusetts, apressou-se em fazê-la traduzir por Paula Fern. A leitura lhe sugeriu uma quantidade de reflexões complementares. Escreveu a Shklovski propondo-Ihe uma edição norte-americana em colaboração.

“Infelizmente” – respondeu o cientista soviético – “temos tão pouca oportunidade de trabalhar juntos quanto de receber um dia a visita de extraterrestres”.

Sagan publicou o livro e acrescentou uma série de anotações de sua autoria. Esta foi a primeira obra escrita por dois grandes cientistas do Oriente e do Ocidente sobre o projeto mais espetacular de nossa época: entrar em comunicação com outras inteligências no cosmo. A edição americana ‚ dedicada à memoria daquele que foi o nosso amigo, J. B. S. Haldane, biólogo e cidadão do mundo, membro da Academia de Ciências dos Estados Unidos, da Academia de Ciências da União Soviética e da Ordem do Delfim, morto na Índia.

Raça de deuses

livro principia com estes versos de uma ode de Píndaro:

“Há uma raça de homens,

há uma raça de deuses…

Cada qual tira seu sopro de vida da mesma mãe;

mas os poderes são separados,

de maneira que uns não são nada

e os outros são os senhores do céu luminoso

que é a moradia eterna deles.

Entretanto, participamos todos da grande inteligência;

temos uma parcela da força dos imortais,

embora ignoremos o que o dia nos reserva”.

Novas perspectivas

No decorrer da obra, Shklovski atribui à imaginação científica legítima os sonhos de um modesto professor de província que viveu no início do século, Constantin Tsiiolkovski, que viu o homem iniciar a conquista do espaço, mapear o sistema solar, domesticar o calor e a luz do Sol e sonhar ser possível “emigrar para os astros e dirigir pequenos planetas como se conduz cavalos”.

Shklovski imagina também, com Sagan, a atividade de outras civilizações nas galáxias distantes. Se estas perspectivas fabulosas merecem hoje nossa atenção, é perfeitamente lógico indagar se nosso planeta não recebeu no passado, e num passado relativamente próximo, a visita de astronautas vindos de outros sistemas planetaríos.

Shklovski considera válida esta hipótese e Sagan, não só confirma esse parecer como acrescenta elementos novos e desenvolve particularmente este ponto. Quando em 1960, em ”0 Despertar dos Mágicos”, e em 1961 na revista Planéte, mencionamos os estudos do cientista soviético M. Agrest sobre este assunto, os intelectuais franceses de formação racionalista, bem como os cristãos, zombaram de nossa ingenuidade.

Louis Aragon, escritor comunista, afirmou mesmo que “M. Agrest era um alegre brincalhão e que sómente por benevolência a União dos Escritores Soviéticos tolerava em seu meio as profecias de alguns doentes mansos”. Quanta ignorência!

0 padre Dubarle declarou com desprezo:”Temos agora uma ficção teológica!”

Os trabalhos de Agrest são de 1959. Em 1967, Carl Sagan e Shklovski afirmavam: “A maneira como M. Agrest coloca essa questão parece-nos inteiramente lógica”.

A idéia essencial de Agrest é a seguinte.

Suponhamos que alguns astronautas vieram à Terra e encontraram homens. Um acontecimento tão insólito deveria obrigatoriamente deixar vestígios nas lendas e nos mitos. Estes seres extraterrestres, dotados de um poder sobrenatural, foram considerados de natureza divina pelos primitivos, e os mitos reservaram um lugar de honra ao céu de onde tinham vindo esses visitantes enigmáticos e para onde voltaram. Os “visitantes celestes” ensinaram aos terrestres algumas técnicas e rudimentos da ciência.

Sabemos que os mitos e as lendas anteriores ao aparecimento da escrita possuem grande valor histórico. Foi assim que a história pré-colonial dos povos da Africa negra – que não possuíam escrita – foi reconstituída em grande parte – com elementos do folclore, das lendas e dos mitos. Carl Sagan acrescenta este exemplo: em 1786, os Indios do Noroeste da América do Norte viram La Perouse desembarcar no litoral. Um século mais tarde, a analise das lendas inspiradas pelo acontecimento permitiu aos historiadores reconstituir a chegada do navegante e até mesmo o aspecto dos barcos.

Nova interpretação de passagens da Bíblia

Agrest interpreta passagens da Bíblia de maneira diferente: vê na destruição de Sodoma e de Gomorra os efeitos de uma explosão nuclear, na história de Enoque sendo elevado aos ares um sequestro dos visitantes, etc…

Percebemos a utilização que o dogmatismo materialista pode fazer destas interpretações. Reduzir a idéia de Deus às lembranças da passagem pela Terra de um navegante vindo das estrelas‚ dar mão forte ao ateísmo.

Sabemos por outro lado que este sistema de interpretação foi empregado inescrupulosamente por “pesquisadores” dados à mistificação. Não somos absolutamente opostos à mistificação, não acreditando ter a propriedade exclusiva da verdade, e não consideramos a ciência um animal sagrado, preferindo a morte à função de censor. Fora isso, o amor da música passa também pela gaita. Finalmente, é sempre bom repetir que sem o mistificador o mundo se asfixia. Mas depois da publicação de “O Despertar dos Mágicos”, surgiu uma literatura abundante sobre este tema. Não respondemos pelas afirmações de nossos epígonos duvidosos. “Pelo que sabemos, declara Shklovski, não existe um único monumento material da cultura do passado em que encontremos realmente uma alusão a seres inteligentes vindos do cosmo.

Esta‚ também é nossa opinião. E bem provável, por exemplo, que o célebre afresco saariano de Tassili, apresentando um “marciano” de escafandro, tenha sido utilizado abusivamente (um pouco por nós, e muito por outros) como demonstração. Contudo, continuamos a pensar, como Sagan e seu colega russo, que “as pesquisas orientadas neste sentido não são absurdas nem anticientificas. Convém somente não perder o sangue-frio”.

Visitantes

Fomos visitados no passado, estamos sendo visitados agora, seremos visitados no futuro?

Carl Sagan procurou apresentar a frequencia provável.

Ele calcula que o número de civilizações técnicamente desenvolvidas existindo simultaneamente em nossa galáxia poderia ser da ordem de 10^6. A duração destas civilizações seria de 10^7 anos. “O que me parece otimista” – observa Shklovski.

Sagan supõe que estas civilizações estudam o cosmo segundo um plano que exclui a repetição de uma visita. Se cada civilização enviar, anualmente, uma nave espacial de pesquisa interstelar, o intervalo médio entre duas visitas da região de uma única estrela, será igual a 105 anos. Para o intervalo médio entre duas visitas a um único e o mesmo sistema planetário (o nosso por exemplo) abrangendo formas inteligentes de vida; podemos adotar, segundo a hipótese de Sagan, o riúmero de alguns milhões de anos. A frequencia, neste caso, é de 5.500 anos.

Se “a história principia em Sumer”, e teve início com uma visita, devemos aguardar para breve um outro desembarque. Se, como sugere o astrônomo americano, “parece provável que a Terra recebeu diversas visitas de civilizações galáxicas, inclusive durante a era geológica”, por que não encontramos nenhum vestígio concreto? A isto, podemos dar três respostas: a arqueologia científica esta ainda no início e nos reserva muitas surpresas, sendo que a idéia de uma história do cosmo pode inaugurar novas direções da pesquisa.

Segunda resposta: encontramos vestígios na memória dos homens, nas lendas e nos mitos, mas ainda não pesquisamos estes dados com uma consciência mais ampla. Sagan demonstra isto a propósito da lenda dos akpalos, como veremos em seguida.

Terceira resposta: o contato com criaturas tão primitivas quanto os terrestres, há milhares de anos, não justificava a instalação de uma base permanente. Esta base poderia estar localizada na face oculta da Lua, e se encontraremos o cartão de visita das outras galáxias quando atingirmos um nível tecnológico suficiente. Drake e Clarke sugeriram ainda que uma civilização extraterrestre poderia ter colocado um alarma automático que teria por função iluminar o espaço interstelar quando o nível técnico local atingisse um certo grau. Por exemplo, um sistema semelhante teria por função analisar o conteudo de elementos radioativos na atmosfera terrestre. O aumento da radioatividade atmosférica, produzida por experiências nucleares repetidas, acionaria o sistema de alarme. É provável que o sinal já tenha partido da Terra.

Sagan escreve: “A 40 anos-luz da Terra, as noticias referentes a uma civilização técnica recente tomam a direção das estrelas. Se houver criaturas inteligentes nestas regiões, perscrutando os céus na esperança de encontrar uma civilização técnicamente avançada em nossa região do espaço, elas tomarão conhecimento de nossa ciência recente, para o bem e para o mal. Talvez, dentro de alguns séculos, recebamos a visita de um emissário”.

Shklovski, mais cético ou menos lírico, considerando o abismo do tempo passado, reconhece que há “uma possibilidade diferente de zero para a Terra ter recebido a visita de viajantes do espaço”. E acrescenta: “Da mesrna forma que Agrest, Sagan volta sua atenção para as lendas e os mitos. Dá um lugar especial à epopéia sumeriana que narra visitas regulares, nas aguas do golfo Pérsico, de criaturas estranhas que ensinaram aos homens os ofícios e as ciências diversas”.

Hipóteses

É possível que estes fatos tiveram lugar nas proximidades da cidade sumeriana de Eridu, na primeira metade do quarto milênio antes de EC – Era Comum.

Estamos lernbrados das etapas históricas em “O Admiravel Mundo Novo” de Huxley: antes de Ford e depois de Ford… Voltando ao assunto. Carl Sagan observou, em confirmação de sua hipótese, uma ruptura bem nítida na história da cultura sumeriana, passando repentinamente de uma condição primitiva para a evolução brilhante das cidades, com a construção de redes complexas de irrigação e com a expansão das ciências, sobretudo astronomia e matemática. A verdade‚ que ignoramos tudo a respeito das origens da civilização sumeriana.

Rene Alleau propôs uma hipótese fantástica. Os sumerianos “não vieram da terra, mas do mar. Viveram muito tempo no oceano, em aglomerações de aldeias construídas em cima de jangadas, e foi sómente quando encontraram os seres superiores vindos do espaço que decidiram residir em terra firme e construir suas cidades, desenvolvendo uma civilização segundo os dados fornecidos pelos visitantes”. Esta teoria tem sua origem na lenda dos akpalos.

“A meu ver – diz Shklovski – as hipóteses de Agrest e de Sagan não se contradizem. Agrest propõe uma interpretação dos textos bíblicos. Mas estes textos possuem origens babilônicas profundas. Os babilônios, os assírios e os persas sucederam às civilizações sumeriana e acadiana. É provável que os textos bíblicos e os mitos anteriores à fundação da Babilônia narrem os mesmos acontecimentos. Evidentemente, não é possivel apresentar provas científicas suficientes. Mas mesmo assim estas hipóteses merecem nossa atenção”.

A hipótese de Sagan é a seguinte: visitantes extraterrestres vestldos de escafandro, a bordo de uma nave espacial pousada no mar, forneceram aos homens primitivos os rudimentos do conhecimento. Estes homens fundaram Sumer. A humanidade conservou durante muito tempo a lembrança de criaturas meio homens meio peixes (capacete e armadura que lembra o brilho das escamas, aparelho respiratório como prolongamento do corpo) vindos do espaço desconhecido para transmitir a sabedoria. O signo do peixe, que posteriormente serviria de ponto de união entre os iniciados do Oriente Médio, talvez esteja ligado a esta lembrança fabulosa.

Os Akpalos

Há três versões relativas aos akpalos, datando das épocas clássicas, mas todas elas têm sua origem em Berose – sacerdote de Bel-Marduk, na Babilônia, na época de Alexandre Magno. Berose conheceu documentos cuneiformes e pictográficos que tinham milhares de anos. Encontramos referência aos ensinamentos de Berose nos textos clássicos e Sagan menciona especialmente os textos gregos e latinos – publicados por Cory em 1876 sob o título “Fragmentos Antigos”. Ali estão as três narrativas:

No primeiro livro referente à história da Babilonia, Berose diz ter vivido na época de Alexandre, filho de Felipe. Menciona os escritos conservados na Babilonia, relativos a um ciclo de quinze miríades de anos. Esses manuscritos evocavam a história dos céus e do mar, o nascimento da humanidade e a história dos diversos soberanos. Berose descreve a Babilonia como um país que se estende do Tigre ao Eufrates, rico em trigo, em cevada e em sésamo. Nos lagos, encontravam-se as raizes denominadas gongae que eram excelentes ao paladar e equivalentes à cevada pelo valor nutritivo. Havia também palmeiras, macieiras e muitas frutas, peixes e aves que conhecemos hoje.

A região da Babilonia que fazia fronteira com a Arábia era árida; a que se estendia do outro lado era ondulada e fértil. Nesta época, a Babilonia reunia diversos povos da Caldéia, que vivia sem lei nem ordem, semelhantes aos animais selvagens.

No decorrer do “primeiro ano”, surgiu um animal dotado de razão, chamado Oannes, vindo do golfo Pérsico – referência à narrativa de Apolodoro. “O corpo do animal era semelhante ao de um peixe. Tinha uma segunda cabeça sob sua cabeça de peixe. Sua voz e sua linguagem eram articuladas. Esta criatura falava, durante o dia, com os homens, mas não se alimentava. Ela ensinou aos homens diversas ciências e artes. Ensinou-lhes a construir casas, a edificar templos, a praticar o direito e a utilizar os principios do conhecimento geométrico. Ensinou-lhes ainda a distinguir as sementes da terra e a colher os frutos; em suma, ensinou-lhes tudo que podia contribuir para amansar os costumes e para humaniza-los. Neste momento, seus ensinamentos eram tão universal que não se conheceu depois nenhum aperfeiçoamento notório”.

“Ao entardecer, a criatura mergulhava no mar e passava a noite nas profundezas. Era uma criatura anfibia. Houve depois outros animais semelhantes a Oannes”. Berose promete fornecer uma narrativa deles quando se dedicar à história dos reis.

A narrativa de Abideno

Isto no que se refere à sabedoria dos caldeus. Conta-se que o primeiro rei do país foi Aloro, designado por

Deus para ser o pastor do povo; ele reinou durante dez saris. Calcula-se atualmente que um saris equivale a 3.600 anos; um neros tem seiscentos anos; e um sossus, sessenta anos. Depois dele, Alaparo reinou durante três saris. Amilaro, de Pantibiblon, sucedeu-lhe e reinou trinta saris. Nesse tempo uma criatura semelhante a Oannes, mas metade demonio, chamada Annedoto, apareceu uma segunda vez do mar.

Depois Ammenon, de Pantibiblon, reinou dezoito saris; depois Daos, o pastor originário de Pantibiblon, governou durante dez saris. Nesta época quatro indivíduos de rosto duplo surgiram do mar, chamavam-se Euedoco, Eneugamo, Eneubolos e Anemento. Depois disto veio Anodafo, na época de Euedoresco. Houve mais tarde outros reis, e o último entre eles foi Sisitro – Xisutro. Assim, houve um total de dez reis, e a duração do Reino deles foi de 120 saris…

A narrativa de Apolodoro

Esta é a história que nos foi transmitida por Berose: O primeiro rei foi o caldeu Aloro da Babilônia, que reinou durante dez saris; depois vieram Alaparo e Amelon, originários de Pantibiblon; depois Ammenon da Caldéia, em cujo tempo apareceu Annedoto Musaro Oannes, vindo do golfo Pérsico. (Mas Alexandre Polihistor, antecipando o acontecimento, afirma que seu aparecimento teve lugar no decorrer do primeiro ano. Contudo, segundo a narrativa de Apolodoro, trata-se de quarenta saris, embora Abideno mencione o aparecimento do segundo Annedoto no final de 26 saris). Depois Megalaro de Pantibiblon lhe sucedeu e reinou dezoito saris; depois veio o pastor Daono, de Pantibiblon, que reinou dez saris; em seu tempo apareceu de novo, vindo do golfo Pérsico, um quarto Annedoto, tendo a mesma forma que os anteriores, a aparência de um peixe e de um homem. Depois Euederesco, de Pantibiblon, reinou durante dezoito saris, quando apareceu um outro individuo chamado Odacon, vindo do golfo Pérsico e possuia a mesma forma complicada de peixe e de homem. Todos – diz Apolodoro – contaram em detalhes, segundo as circunstâncias, o que lhes ensinou Oannes. Abideno não menciona nenhuma destas aparições. Depois reinou Amempsino de Waranchae e, corno era o oitavo na ordem da sucessão, governou durante dez saris. Depois veio Otiartes, caldeu originário de Laranchae, e ele governou durante oito saris. Após a morte de Otiartes, seu filho Xisutro reinou durante dezoito saris – ocasião que ocorreu o Grande Dilúvio…

Narrativa posterior de Alexandre Polihistor

Depois da morte de Ardates, seu filho Xisutro lhe sucedeu e reinou durante dezoito saris. Foi nesta época que teve lugar o Grande Dilúvio, cuja história foi narrada da seguinte maneira: O deus Crono apareceu em sonho a Xisutro e informou-lhe que haveria um dilúvio no décimo quinto dia do mês de Daésia, e que a humanidade seria destruída. Odenou-lhe portanto escrever a história das origens, dos progressos e do final de todas coisas, até os nossos dias, e enterrar estas anotações em Sippara, na Cidade do Sol, construir um barco e levar consigo seus parentes e amigos. Ordenou-lhe, por último, transportar a bordo tudo o que era necessário ao sustento da vida, reunir todas as espécies animais, as que voam ou correm em cima da terra, e abandonar-se às àguas profundas…

Como perguntara ao deus para onde deveria dirigir-se, este lhe respondeu: “Para o lugar onde estão os deuses”.

Nestes fragmentos, as origens não humanas da civilização sumeriana são nitidamente afirmadas. Uma série de criaturas estranhas surge no decorrer de várias gerações. Oannes e os outros akpalos são descritos como “animais dotados de razão” ou como criaturas inteligentes, de forma humanóide, recobertos por um capacete. e uma carapaça, como um “corpo duplo”. Talvez fossem visitantes vindos de um planeta inteiramente coberto pelos oceanos. Um cilindro assírio representa o akpalo carregando aparelhos nas costas, acompanhado de um golfinho. Alexandre Polihistor observou a evolução súbita da civilização depois da passagem de Oannes, o que está de acordo com as observações da arqueologia sumeriana. O arqueólogo Thorkild Jacobsen, da Universidade de Harvard, escreveu: “Subitamente, o panorama se transforma. De obscura que era, a civilização mesopotâmica se cristaliza. A trama fundamental, o arcabouço no interior do qual a Mesopotâmia iria viver, formular as indagações

mais profundas, avaliar-se a si mesma e o universo durante os séculos futuros, brotaram com vida e se realizaram”.

Não há duvida que desde a época dos trabalhos de Jacobsen foram descobertos na Mesopotâmia alguns vestígios de cidades mais antigas, sugerindo uma evolução mais lenta. Entretanto, o mistério dos visitantes permanece, confirmado pelo exame dos selos cilíndricos assírios, nos quais Sagan pensa decifrar o Sol cercado de nove planetas, com dois planetas menores em um dos lados, bem como outras representações de sistemas que apresentam uma variação no número de planetas para cada estrela.

A densidade particular de acontecimentos inexplicaveis narrados pelas lendas do Oriente Médio coloca um problema. A arqueologia revelou alguns vestígios de tecnologia, como o forno-refletor em Ezion Geber, em Israel, ou o bloco de vidro de três toneladas enterrado perto de Haifa. O aparecimento nesta região do mundo de técnicas, de idéias inéditas, de religiões, como se fosse o berço da história humana, coloca a seguinte questão:

Conclusão

Estes locais foram escolhidos por mestres vindos das estrelas?

Como e por que?

Carl Sagan aponta cinco possíveis origens para os visitantes do espaço: Alfa do Centauro, Epsilon Eridano, 61 Cygni, Epsilon Indi e Tau Ceti, a quinze anos-luz da Terra. E conclui: “Histórias como a lenda de Oannes, as figuras e os textos mais antigos referentes ao aparecimento das primeiras civilizações terrestres mereciam estudos críticos muito mais amplos do que os realizados até o momento. Estes estudos não deveriam rejeitar uma direção de pesquisa relativa a contatos diretos com uma civilização extraterrestre”.

Chegamos certamente a fase de riqueza e poder que possibilita a investigação mais aberta do nosso passado distante. E foi a nós, ao que parece, que Platão se dirigiu quando escreveu no Critias: “Sem dúvida, os nomes destes aborígines foram conservados enquanto se obscurecia a lembrança de suas obras, e isto foi devido tanto ao desaparecimento dos que receberam a tradição quanto à extensão do tempo transcorrido. Depois das diversas catástrofes e dos dilúvios, o que sobrou da espécie humana sobreviveu num estado inculto, conhecendo apenas os nomes dos príncipes que haviam govemado o país, e sabendo muito pouca coisa de suas obras. Embora apreciassem dar aos filhos os nomes destes príncipes desaparecidos, eles ignoravam os méritos dos antepassados ilustres e das leis que haviam instituído, com exceção de algumas tradições obscuras pertencentes a alguns deles (…) Com efeito, o estudo das lendas e as investigações relativas à antiguidade são duas coisas que, com o passar do tempo, entraram simultanearnerrte nas cidades, no momento em que as necessidades da existência estavam garantidas, mas não antes”.

Estas duas coisas que entram nas cidades talvez nos tornem sensíveis a uma circulação entre os tempos desaparecidos e os tempos futuros, talvez elas nos ensinem que nosso esforço imenso para penetrar no céu‚ um desejo muito antigo e heróico de prolongar o dialogo interrompido. Talvez avistemos nossas origens e nosso fim como os dois momentos de uma relação com a vida e a inteligência no universo. Evidentemente, quando levantamos estas dúvidas, quando procuramos vestígios imemoriais de um contato e quando interrogamos as possibilidades do futuro, devemos nos lembrar sempre do provérbio chinês: “Aquele que espera um cavaleiro não deve confundir o ruído dos cascos com as batidas do seu coração”.

Mas é necessário que a esperança faça o coração bater violentamente…

***

Por Jacques Bergier e Louis Pauwels

*Jacques Bergier, físico, pesquisador e escritor de origem judia, membro da Academia de Ciências de Nova Iorque, da Real Sociedade de Londres, Cavaleiro da Legião de Honra inglesa e condecorado com a Cruz de Guerra e a Roseta da Resistência francesa. Faleceu em 1978 em Paris, aos 66 anos.

**Louis Pauwels, pesquisador e escritor francês apaixonado pelos mistérios da humanidade, um dos líderes – junto com Jacques Bergier – do movimento “Planète”, percursor da literatura do Realismo Fantástico onde assuntos e fatos que estavam além das ciências eram abordados de forma científica.

Uma resposta para Os Akpalos

  1. ivanir godinho disse:

    SE NÃO ESTAMOS SOZINHOS, TEMOS OUTRA ESPECIES DE SERES, PORQUE ISSO AINDA NÃO FOI DIVULGADO NA MÍDIA OU QUALQUER OUTRA FONTE FIÁVEL.
    PORQUE USA DEUS COMO MENTOR DE TODAS AS CATASTROFRES MUNDIAIS, O CIENTISTA FALA,FALA, MAS NÃO DIZEM NADA EM CONCRETO.
    AFINAL VAMOS OU NÃO VAMOS TER COMPANHIA DE OUTROS SERES NA TERRA, OU ISSO SÓ É TEORIA.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: