O Mapa do Criador

Um mapa com 120 milhões de anos descoberto na Rússia pode mudar nossa compreensão sobre a história da humanidade.

Uma descoberta teoricamente impossível foi realizada em 1999 por cientistas da Universidade Estadual Bashkir, Rússia: uma placa de pedra branca que contêm evidências conclusivas da existência de uma antiga civilização altamente desenvolvida. Essa placa contem um mapa com detalhada e perfeita imagem em relevo somente possível de ser produzido com tecnologia atual. Esse mapa tridimensional de origem desconhecida nos mostra um sistema de canais com aproximada 12.000 km de extensão, barragens, enormes represas, fundações em formato de diamante de uso indefinido e múltiplas inscrições em forma de hieróglifos!

Pistas

“Quanto mais aprendo, quanto mais realizo mais compreendo que não conheço nada”, disse o professor da Universidade de Bashkir, Alexander Chuvyrov. Em 1995, ele e um estudante chinês pós-graduado, estudavam a hipótese de uma possível corrente migratória da China para o território da Sibéria e Ural. Numa expedição para Bashkiria, eles encontraram várias rochas com entalhes feitos numa antiga língua chinesa. Estes achados confirmaram a hipótese dessa corrente migratória chinesa. As subscrições lidas continham em sua maioria informações sobre trocas, pactos, casamentos e registros de óbitos.

Foi durante essas procuras que foram encontradas em arquivos do governador-geral de Ufa, notas datadas dos séculos 18 e inicio do 19, relatando a existência de aproximadamente 200 placas de pedras brancas “incomuns” localizadas próximo da Vila de Chandar, região de Nurimanov. Chuvyrov e seu colega chinês imediatamente concluíram que essas placas poderiam estar relacionadas com os migrantes chineses. Isso motivou os cientistas a realizarem expedições para localizar essas placas de pedras.

Pesquisando

Em 1998, depois de ter recebido autorização do governo e formado um time com seus estudantes, Chuvyrov início os trabalhos de pesquisas sobrevoando a região com helicópteros, começando por lugares onde as placas supostamente deveriam estar localizadas. Nas primeiras duas semanas nada foi encontrado. Desapontado, na ocasião, Chuvyrov disse: “…estou começando a pensar que essas placas são meras lendas”.

Encontrando

Na terceira semana Chuvyrov visitou Vladimir Krainov – ex-presidente do conselho local de agricultura da vila de Chandar, próximo da cidade de Ufa -, tido como um grande conhecedor da região. Na casa de Krainov, mesmo surpreso com a presença do pesquisador e arqueólogo russo, Schmidt, foi direto ao assunto e perguntou se sabia algo sobre algumas placas de pedras brancas. A resposta que obteve era a que menos esperava: “Não só sei como tenha uma dessas ‘estranhas’ placas aqui mesmo em meu quintal”. Seu primeiro pensamento foi de estarem brincando com ele. “Não levei isso muito a sério no primeiro momento, mas como suas fisionomias continuavam sérias, decidi ir ao quintal e acabar com aquela brincadeira” – recorda-se Chuvyrov. “Me lembro daquele dia claramente: 21 de Julho de 1999. Embaixo da varanda da casa do Vladimir estava uma das placas que tanto procurava!. A placa era tão pesada que três pessoas juntos não puderam movê-la. Fui então à cidade de Ufa pedir ajuda”.

Com a ajuda recebida de Ufa e de outros grupos de pesquisa que chegaram à pequena vila depois da notícia que Chuvyrov havia encontrado uma das placas, a pedra foi cuidadosamente retirada do local – usando-se um rolo de madeira revestido de plástico para não danificá-la – e transportada à universidade de Bashkiria para investigações e estudos. Essa placa de pedra recebeu o nome de “pedra de Dashka” – em honra à neta de Alexander Chuvyrov nascida um dia antes deste acontecimento.

Análises, estudos e pesquisas

Uma semana depois, com a equipe de cientistas ampliada e todos equipamentos no local, iniciaram os trabalhos. Após a primeira surpresa dos pesquisadores com o peso (987 Kg) e dimensões (148cm de comprimento, 106 de largura e 16 de espessura) a perplexidade dominou o ambiente quando, após a cuidadosa limpeza da pedra, um mapa em releve extremamente bem elaborado começou a aparecer! Os cientistas não podiam acreditar no que viam… “Á primeira vista, – disse Chuvyrov – compreendíamos que aquilo não era um simples pedaço de pedra, mas sim um mapa real. Não um simples mapa, mas um mapa tri-dimensional”…

Mas as surpresas não pararam por ai. A equipe, mais uma vez ampliada com o ingresso de especialistas russos e chineses nas áreas de cartografia, geologia, química e língua chinesa antiga, determinou com precisão que o mapa – em exata escala de 1:1×1km – dessa placa da pedra era da região de Ural, com os rios Belya, Ufimka e Sutolka. “Identificamos a altitude de Ufa – sendo o Canyon de Ufa o ponto chave de nossas provas – porque conduzimos estudos geológicos e encontramos o seu rastro onde ele estaria de acordo com o mapa antigo. O deslocamento do canyon aconteceu por causa das placas tectônicas que moveram-se do leste”. Em coletiva à imprensa Alexander Chuvyrov disse: “Vejam este ponto, aqui é o Canyon de Ufa – a fratura da crosta terrestre, estendida de cidade de Ufa até a cidade de Sterlitimak. No momento, o Rio Urshak corre pelo antigo canyon”.

Hieroglíficos silábicos

Inicialmente os cientistas trabalharam com a hipótese desse mapa ter alguma coisa a haver com o chinês antigo, por causa das inscrições verticais no próprio mapa – Tipo de escrita parecida era usada em chinês antiga antes do século 3. Para chegar esse suposição os chineses que participavam da equipe pesquisaram a questão e o próprio Chuvyrov visitou a Biblioteca Imperial Chinesa, mas nenhum deles descobriram escrita idêntica ou mesmo similar àquela encontrada na placa. Depois de encontrar seus colegas da Universidade de Hunan, Chuvyrov desistiu completamente da hipótese sobre “Os indícios chineses”. O cientista concluiu que aquela porcelana que cobria a placa jamais foi usada na China. Embora todos os esforços em decifrar as inscrições tenham sido infrutíferos, foi descoberto que a escrita continha caracteres hieroglíficos-silábicos. Chuvyrov, porém, acredita que pelo menos parte da escrita do mapa tenha sido decifrada: “a latitude e a longitude que coincidem precisamente com a da cidade de Ufa”.

Estruturas geológicas

As estruturas geológicas da placa consiste de três camadas: A base tem 14cm de espessura, feita de sólida dolomita. A segunda camada é a mais interessante – é “feito” de vidro de Diopsídio; a tecnologia para o seu manuseio é desconhecida pela ciência moderna! E a terceira camada tem 2mm de espessura e consiste de porcelana de cálcio protegendo o mapa contra danos!

Máquina de precisão

Deve ser observado – diz o professor – “que o relevo não foi feito manualmente por um escultor de pedra antigo. Isto simplesmente é impossível. O desenho dessa pedra foi ‘feito’ por uma máquina. Fotografias de raios-x mostram que mecanismos de alta precisão foram usados para trabalhar essa pedra”…

Obras gigante

Quanto mais se estudava a placa, mais mistérios apareciam: um gigante sistema de irrigação pode ser visto. Além dos rios, há dois sistemas de canais com 500 metros de largura, 12 represas, 300-500 metros de largura, aproximadamente 10km de distâncias por 3km de profundidade, cada. As represas aparentemente ajudavam transportar a água de uma lado ao outro. Segundo cálculos realizados nesse mesma universidade, para construir as obras vistas nesse mapa seriam necessário remover mais de 1 quatrilhão de metros cúbicos de terra! Fazendo uma comparação desse sistema de irrigação, os canais de Volga-Don mais parecem um risco no relevo de hoje. Segundo o professor Chuvyrov, mesmo hoje a humanidade pode construir apenas uma pequena parte do que esta desenhado no mapa!

Idade da placa

Foi difícil determinar uma data aproximada para a placa. Inicialmente foi analisada por radio carbônico e depois os níveis da placa foram escaneados com um cronômetro de urânio; apesar disso os investigadores mostraram diferentes resultados e a idade da placa permaneceu indefinida. No entanto, enquanto examinavam a pedra, duas conchas foram encontradas em sua superfície. A idade delas: Navicopsina munitus, da família Gyrodeidae, com 50 milhões de anos ; e, Ecculiomphalus princeps, da família Ecculiomphalinae, com 120 milhões de anos! A princípio estas datas foram aceitas como uma “versão de pesquisa”. Os cientistas supõem que a segunda é a data correta. O Dr. Cruvyrov diz que o mapa pode ter sido criado na tempo em que o pólo magnético da terra situava-se na área atual terra de Franz Josef, o que significa aproximadamente 120 milhões de anos atrás”.

Perguntado como teria sido possível nossos ancestrais construíem um mapa tridimensional, o professor Chuvyrov disse: “…não temos a mínima idéia, somente suposições. O que sabemos é que esse mapa está além da percepção da humanidade atual; precisamos de um longo tempo para se acostumar com isso. Nós nos acomodamos ao nosso milagre. Primeiro nós achamos que a pedra tinha 3.000 anos. Só que a idade foi aumentando gradualmente, até que nós identificamos as conchas cravadas na pedra. Quem desenhou esse mapa provavelmente usou essa padra com as conchas já encrustradas nela”.

Mapa de navegação aérea?

Qual poderia ser o objetivo do mapa? Esta é de certo uma das dúvidas mais interessante. Materiais do achado Bashkiria também fora analisados e estudados no Centro de Cartografia Histórica em Visconsin, USA. Os americanos ficaram perplexos com o achado. De acordo com essas análises e estudos um mapa tridimensional como esse (da pedra de Dashka) só poderia ter um objetivo:navegação aérea. E mais, só poderia ter sido construído via pesquisa aérea!

Somente agora, no início do século 21, é que Estados Unidos iniciaram a criação de um mapa mundial em três dimensões como esse descoberto na Rússia; e mesmo assim esse projeto só será concluído em 2010. A dificuldade maior é a necessidade de milhões de cálculos para fazer um mapa tridimensional. Mesmo usando dezenas de super computadores e milhares de imagens aéreas de alta precisão é um trabalho lento, cobrindo pequenas áreas de cada vez. “Tente mapear no mínimo uma montanha! – comenta Chuvyrov.

Qual origem desse mapa?

Perguntado ‘quem então criou esse mapa?’, o professor Chuvyrov, enquanto falava sobre cartografias desconhecidas, foi cuidadoso: “Eu não acredito em extraterrestres. Porque não chamar o autor do mapa simplesmente de ‘O criador'”.

Aparentemente quem viveu e construiu naquela época usou apenas meios de transporte aéreos: Não existe estradas no mapa. Há ainda a hipótese de que os autores desse mapa não viviam lá, apenas preparavam o lugar para uma futura colonização, drenagem água, construíndo barragens e fundações em forma de diamantes naquelas terras. Essa parece ser a mais provável versão; porém, nada pode ser declarado como definitivo por enquanto. Por que não assumir que os autores pertenciam à uma civilização que tenha existido antigamente?

Apenas uma parte

As investigações desse mapa traz uma descoberta atrás da outra. Agora os cientistas têm certeza de que esse mapa é apenas um fragmento de um grande mapa da Terra. De acordo com algumas hipóteses, há um total de 348 fragmentos como esse. Os outros fragmentos podem estar provavelmente em algum lugar perto de lá. Nas margens de Chandar, cientistas da equipe do professor Chuvyrov colheram 400 amostras de solo e levantaram a hipótese do mapa inteiro ter existido no desfiladeiro da Montanha Sokolinaya – Montanha do Falcão.

Baseado na escala e área geográfica do mapa encontrado os cientistas formaram um mosaico nos mostrando os outros 347 espaços vazios que, junto com o único fragmento descoberto até agora, nos mostra um mapa mundi com aproximadamente 340 x 340m.

Informações “Reservadas”

Inicialmente o governo Russo divulgou informações sobre esse achado e resumos com resultados de muitas pesquisas realizadas na “Pedra de Dashka”, inclusive em quatro Congressos internacionais como o título “Mapa da Engenharia Civil de uma Civilização Desconhecida do Sul de Ural”. Porém, a partir de maio de 2001, informações antigas e especialmente as mais recentes referentes à resultantes das novas pesquisas, testes e estudos dessa placa de pedra foram classificadas como “reservadas”, e saíram do domínio público.

***

Por Stepan Krivoskeyev & Dmitry Plenkin, jornalistas russos

Notas

1. Esta matéria foi publicada originalmente em três versões pelo jornal Pravda: Versão completa em 19/03/02, versão completa e atualizada em 30/04/02 – da qual esta tradução foi baseada, e versão resumida em 28/07/02.

2. Traduções: Russo para Inglês – Vera Solovieva e Inglês para Português – Antônio Carlos

7 respostas para O Mapa do Criador

  1. WALMIR disse:

    Muito provável que sejam resquícios da lendária LEMÚRIA.

  2. CialisTenastetKed disse:

    Thank you for reading this post.

  3. disse:

    Uow…de onde viemos afinal??
    Quem somos nós?

  4. Clara Schestatsky disse:

    Maravilhosa essa pesquisa. e rica em uma série de perguntas que levaram anos a serem respondidas. E o que semos? somos aquilo que nos denominamos pelo menos até agora, seres Humanos. De onde viemos, ai só o criador para responder, se houver tempo, ou se conseguirmos nos aperfeiçoar em mais conteúdos de civilizações passadas. Somos um mistério. SE fossemos pesquisar, tipo varredura em todo o ponto do planeta talvez, mas só taz chegariamos a um só resultado, como este que estavamos lendo: _ Faltarafragmentos da história da criação humana e universal. Vamos ver o que o tempo nos reserva.

  5. mariluce moises de Deus Vieira disse:

    totalmente inacreditável…

  6. joao de Deus vieira disse:

    muito interessante…com certeza a terra ja foi habitada por outros
    moradores em épocas remotas…varias vezes tudo foi remexido e
    começado de novo

  7. Ruy Edy Iglesias da Silveira disse:

    Comentar apoiado nas observações de outros é leviandade, voces deviam, no mínimo incluir uma foto da pedra para depois pedir nossa opinião sobre a mesma.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: