O Grande Cataclismo: Ano 9792 a.C.

Albert Slosman(1925 – 1981) foi um estudioso da história egípcia, era matemático, analista de informações e participante dos projetos da NASA para os lançamentos das naves Pioneer a Júpiter e Saturno.
Aprendeu a árdua tarefa de decodificar os hieróglifos egípcio que descrevem os últimos anos da Atlântida. Graças à seus enormes esforços, agora estamos familiarizados com os segredos de uma civilização que afundou em um dia, em um gigantesco cataclismo.
O conhecimento dos atlantes sobre o movimento das estrelas e a posição dos planetas era muito superior ao nosso. Eles perceberam o fim da Atlântida com seus conhecimentos sobre astronomia. O dia que a Atlântida se afundou sob as águas, em 27 de julho de 9792 a.C, Órion, Vênus e algumas poucas estrelas e planetas mais ocuparam algumas “posições codificadas”. Os supremos sacerdotes que escaparam do cataclismo levaram os conhecimentos com eles e os guardaram no labirinto (o Círculo de Ouro) no Egito. E ali precisamente se elaborou o plano mestre para advertir à humanidade sobre o próximo cataclismo.
Esta história incrivelmente assombrosa deve ser conhecida no mundo inteiro, porque no ano 2012 as estrelas estarão exatamente na mesma posição que no ano no qual a Atlântida se afundou.

A história que se segue, está no livro “Le Grand Cataclysme” (O grande cataclismo) de Albert Slosman.

A história de Osiris (Órion) começa no ano 10.000 a.C. L’An-Nu, o supremo sacerdote de Aha-Men-Ptah, reuniu ao conselho. Tinha notícias alarmantes, pois com “cálculos matemáticos das configurações estelares”, estava em condições de calcular a data do fim de seu mundo. Isto se apoiava nos acontecimentos do cataclismo anterior, ocorrido em 21 de fevereiro de 21.312 a.C, quando a Atlântida foi destruída em parte (a Terra girou 72 graus no zodíaco). Sua mensagem foi extremamente dolorosa e dura: “Irmãos, estamos hoje reunidos aqui para falar dos aterradores acontecimentos que sofrerão nossos bisnetos. Sem duvidá-lo, devemos organizar um êxodo de nosso povo por volta de outras regiões e isto representa um enorme esforço durante muito tempo”. Pôde ouvir um murmúrio e logo uma onda de protestos, mas o alto prelado era inexorável: “Não me apóio nas sagradas escrituras, mas em combinações matemáticas que se podem compreender por qualquer que o escolha. Todo movimento das estrelas e os planetas se produz em harmonia, seguindo as leis de Deus. O que sabemos com segurança é que as ‘combinações matemáticas celestiais’ têm influência sobre todos os organismos da Terra, por meio das configurações que representam. Isso, por uma parte. Segundo, os cálculos de meus predecessores e dos cientistas de nossa ‘Dupla casa da vida’ de Septa-Rerep estabelecem que uma catástrofe de desconhecidas proporções nos aguarda. Durante a anterior, o Norte de nosso país se converteu em um enorme iceberg e destruíram-se outras partes do mundo. Desta vez, nosso país inteiro desaparecerá. Recalculei o que nossos cientistas estimaram tantas vezes com antecedência, e o único que podemos dizer é que nosso país desaparecerá por completo sob as águas. Não ficará nada, e se não se toma nenhuma medida não haverá ninguém que possa contar a história de nossa pátria, porque pertencerá ao reino dos mortos”.
A maioria dos ouvintes permanecia em silêncio, pois todos estavam impressionados pelo que acabavam de ouvir. Um dos membros mais idoso interpretou a comoção geral: “Não duvido do poder de suas palavras! É lógico que se aceitarmos este grande cataclismo como algo que acontecerá com certeza, aqui devemos discutir o êxodo com calma. Mas isto significa a construção de centenas de milhares de navios, sem mencionar toda a comida que se necessita para milhões de pessoas. Requer-se a intervenção de várias gerações de preparativos”.
L’An-Nu voltou a falar: “A lei celestial determina a harmonia dos céus e o movimento matemático da Terra com o passar do tempo. Sobre a base disto, ‘aqueles que sabem de números’, poderão determinar a data exata e a lei causadora da catástrofe. Produzir-se-á em 27 de julho de 9792 a.C, dentro de 208 anos e será inevitável. Portanto, apressem-se, honoráveis membros do conselho, a tomar medidas necessárias para que dentro de dois séculos todos possam abandonar estas terras e iniciar uma segunda pátria. Os primeiros sinais do que nos aguarda já são visíveis no horizonte, onde o Sol está mais avermelhado a sua saída. Aqui concluo meu argumento, o Este terá cor vermelha, tão vermelho como nosso sangue, porque nosso império pertencerá aos mortos”.
Isto produziu o efeito desejado. A partir desse dia, começaram a tomar medidas preventivas necessárias para levar a cabo um êxodo sem enguiços.
Os anos transcorreram. Em 9842 a.C. nasceu o primeiro filho do rei Geb e da rainha Nut. Era um varão e sua mãe lhe pôs o nome da constelação que dominava o céu meridional, quer dizer, Osiris ou Órion. Destinava-se a converter-se no governante 589° de Aha-Men-Ptah. (Posteriormente, Aha-Men-Ptah foi chamada Atlântida, pelos filósofos gregos.) Em 9841 a.C. nasceu seu irmão Seth e um ano mais tarde, suas irmãs gêmeas Isis e Nepthys. Todos amavam às duas meninas, mas Seth se comportava como um pequeno tirano. Invejava o êxito de suas irmãs e estava extremamente zangado por não ser o herdeiro do trono. Isis gostava de rir e freqüentemente a via em companhia de Osiris. O rei Geb observou uma estreita relação entre os dois e decidiu que se casassem. Em presença de uma grande audiência, o matrimônio foi solenizado. Seth esteve ausente, dado que estava furioso quando se inteirou do casamento. Em um rapto de ira, partiu logo depois de ameaçar vingando-se e cometer fratricídio.
Da união entre Isis e Osiris nasceu Horus. Enquanto isso, Seth se dedicou a reunir um exército cada vez maior. Muitos de seus rebeldes se irritaram ao ter que realizar as medidas coercitivas que lhes infligiam para o cataclismo vindouro, recusando-se a participar das tarefas por algo no qual eles não acreditavam. Nesses tempos difíceis, Osiris se converteu no novo governante, aos trinta e dois anos de idade. Era 9805 a.C, e faltavam treze anos para a data do cataclismo. Osiris, imediatamente tomou medidas para assegurar fidelidade dos outros estados do país. Formou um exército que não só teria que conquistar aos rebeldes, mas também proteger os portos e os depósitos de armazenagem. Milhares de botes se guardaram, logo depois de dar-se conta de que muitos deles se foram e agora serviam como madeira para fazer fogo. Uma profunda reorganização teve lugar para que pudesse obter uma tranqüila evacuação daqueles que permanecessem leais.
O resto da terra era um caos causado por Seth. Houve uma incrível quantidade de material a utilizar-se no êxodo que se tornou inútil, demoliu-se, se rompeu ou foi roubado. Seth exerceu uma ditadura criminal e provocou o terror, demonstrando-o quando enviou de retorno a dois embaixadores do palácio, decapitados, em seus ataúdes. Sua mensagem era clara: “Não vou negociar”.
Só ficavam três anos. Horus tinha 24 anos quando seu tio incorporou seu sétimo estado e ordenou a imediata destruição de 4.000 “Mandjits”. Estes navios a prova de afundamentos, deveriam assegurar a sobrevivência de 30.000 pessoas dessa província! Logo depois deste insensato aniquilamento houve um impasse por uns três anos. Um par de semanas antes do cataclismo, Seth intensificou seu ataque vigorosamente. Na noite de 26 de julho invadiu a capital, por surpresa. Sem dúvida, todos estavam preocupados com o cataclismo vindouro que interferia com as medidas que deviam adotar-se para a defesa.
O resultado foi desastroso. Houve saques e assassinatos; só o palácio real não foi tomado. Seth discutiu com seus capitães a estratégia necessária, mas decidiu não atacar porque suas tropas estavam muito ébrias e neste estado não se achariam em condições de conquistar as tropas de elite, que se encontravam sob o mando de Horus. A oposição também soube que Seth não tomou prisioneiros e que eles foram lutar com todo seu vigor por suas vidas. Então pensou em uma mutreta. Enviou um mensageiro ao palácio para oferecer uma rendição honorável, com a condição de que Osiris em pessoa viesse assiná-la. Apesar das advertências de Geb, Nut e Isis, o rei decidiu ir. Deixou a defesa em mãos de seu filho Horus. Escoltaram-no seis homens e um oficial. Osiris conduziu até o lugar do encontro, passando pelas ruínas em chamas de sua capital. Antes de que pudessem reagir, as lanças penetraram os corações e as cabeças de suas escoltas e os homens foram brutalmente assassinados. O rei logo que fora ferido e conduzido a uma habitação onde Seth, com seus oficiais comandantes, aguardavam-no com impaciência. Convencido de seu triunfo, Seth olhou a seu irmão com arrogância, em tanto que este só o observava com profunda tristeza. Então, uma ira irracional o invadiu. Tomou a espada de um de seus capitães e a cravou no corpo de seu irmão; nem um som se ouviu dos lábios de Osiris. Logo, ordenou a seus capitães que fizessem o próprio. Osiris morreu sem emitir um só som. Seth olhou a seu redor, notou que ali havia uma pele de touro e arrojou o corpo ainda morno sobre ela, atando as duas partes que a constituíam. Depois, ordenou a seus capitães que lançassem o “pacote” ao mar. Os peixes carnívoros e os caranguejos dariam um festim com ele.

No palácio, Nepthys, que tinha o dom de vidência, vislumbrou os trágicos acontecimentos. Logo depois de comunicar ao Horus, este decidiu lançar um contra-ataque. Em muito pouco tempo reuniu dois mil homens, explicou-lhes o ocorrido e lhes informou o que se esperava deles. Com seus corações cheios de irritação, começaram o ataque, matando instantaneamente a cada rebelde que encontraram em sua passagem. Logo atracaram ao lugar onde assassinaram o pai de Horus. Eram espectadores de uma cena apocalíptica: estava cheio de corpos aos quais lhes deram morte de uma maneira bestial, mas Osiris não estava ali. Horus continuou com a retomada e logo recebeu reforços dos habitantes e das outras brigadas. Justo antes do entardecer, a capital foi liberada, mas completamente destruída!
No momento em que o Sol devia elevar-se sobre o horizonte, não aconteceu nada.
Era 27 de julho de 9792 a.C. e esse seria o último dia da Atlântida. Apareceu um ocaso irreal, sem sol nem céu; uma bruma avermelhada, sufocante, de difusa claridade por causa de sua espessura, estendeu-se como um manto parecendo que não só absorveu todos os sons mas também a luz do Sol. A respiração se fez difícil devido ao profundo aroma de morte que dominava a atmosfera. Em todo o continente, a gente compreendeu que o inevitável estava por desencadear-se. O instinto de sobrevivência afligiu a todos com um intenso temor do drama que estava por vir. Não há palavras para expressar o pânico que se desatou. Nos anais está registrado em detalhe e pode compreender o pandemônio descrito, ao pensar no temível panorama que as pessoas enfrentaram. A manhã transcorreu sem que ninguém estivesse em condições de precisar a hora, porque o Sol permaneceu invisível detrás da sufocante névoa, que se tornou cor vermelha sangue.
Horus compreendeu que este era o fim de seu país. Também se deu conta de que se a desesperança de seu povo era assim enorme, muito pior resultaria com os rebeldes. Então, decidiu aproveitar esta situação e atirar um golpe definitivo às tropas de seu tio. Brevemente, explicou isto a seus comandantes, que se entusiasmaram muito com a idéia. Prometeu a quão soldados iriam a tempo com suas famílias. O asfixiante silêncio da bruma enlouquecia às tropas e, devido ao aroma insuportável e a este avermelhado fenômeno, quase perderam a razão. Como conseqüência, produziu-se um violento encontro com o inimigo, algo que pareceu quase um sonho, pois a imprecisa bruma ainda impedia uma clara visão.
Então, a fúria celestial se fez conhecer em sua onipresença; suaves terremotos puseram fim à batalha. Ninguém pôde ganhar porque todos pereceram. Muitos foram jogados no chão com seus corpos trementes por causa das sinistras oscilações. Isto se prolongou com igual intensidade, enquanto a bruma impenetrável parecia esclarecer-se.
No palácio, Geb assumiu o mando novamente. O monarca anterior não tinha outra alternativa, pois seu filho estava morto e Horus ainda não fizera seu juramento. Apoiando-se nas leis reais, decidiu iniciar imediatamente o êxodo geral. Deveriam abandonar tudo, sem nenhuma esperança de recuperá-lo. Primeiro enviou a ordem ao porto para poder começar com as ações e medidas planejadas e evitar, quanto possível, o pânico. Os soldados reais estavam todos ali para facilitar a partida do povo que estava a ponto de fugir.
No porto real havia milhares de “Mandjits”, cuja característica principal era que não podiam afundar-se. Estavam rigorosamente protegidos e a bordo tinham equipes completas de sobrevivência, como por exemplo, garrafas de água, tortas de cevada, cereais, etc. Praticara-se a evacuação fazia tempo e esta funcionara sem enguiços. Em um breve lapso, centenas de milhares de pessoas embarcaram. Por sua vez, começou a evacuação da família real e dos supremos sacerdotes. Todos se dirigiram aos botes que já foram designados com antecedência. Para estas pessoas, medidas que se tomaram fazia anos, agora estavam rendendo seus frutos. O supremo sacerdote, com calma, repartiu suas ordens, as quais foram acatadas ao pé da letra. Um grande contingente de seguidores puseram os tesouros a salvo; ninguém tinha a menor idéia do alcance da catástrofe, embora todos imaginavam o pior.
A cento e sessenta quilômetros, os antigos vulcões que tinham mais de mil anos de antigüidade se reativaram. Com um enorme poder lançaram rochas, terra e pó ao ar, e a bruma voltou a tornar-se espessa. Uma chuva de pedras menores e pedaços de toda índole caíram sobre a capital e o porto; como conseqüência disso muitas pessoas foram feridas ou morreram. No meio do pânico que sobreveio, perderam o autocontrole e começaram uma verdadeira corrida para o porto. Todos lançaram o que levavam consigo, para poder escapar mais rápido. Qualquer indício de pensamento humano foi substituído por um puro instinto animal de sobrevivência. Os soldados foram atropelados por esta correria de pessoas. A turfa saltou aos navios de papiro que recobertos com resina e betume para impermeabilizá-los e fazê-los indestrutíveis. O terror causado pelos horríveis e inimagináveis acontecimentos fez que as pessoas esquecessem toda noção de segurança. Em lugar de subir a bordo em um número não maior a dez por navio, lutavam por subir nos primeiros Mandjits a seu alcance. Centenas de navios afundaram junto com seus passageiros nem bem zarparam, ou inclusive antes de fazê-lo. Milhares de desafortunados morreram no porto, o qual já não substituiria por muito tempo mais.
De longe podia-se ouvir os vulcões outra vez, que lançavam lava ao ar. O resto da aterrorizada população que permaneceu em terra, pereceu em uma corrente de fogo. Centenas de milhares de litros de um infernal fogo líqüido, acharam seu caminho nos povos e nas cidades, destruindo e cobrindo tudo a sua passagem.
Em meio deste terrível curso dos acontecimentos, Nepthys e Isis procuravam o corpo de Osiris. Nepthys conduziu sua irmã através da bruma da invisibilidade. Dos soldados que os acompanhavam só ficaram três. Dado que a “vidente” tinha grandes dificuldades para concentrar-se no lugar exato onde se encontrava o corpo envolto no couro do touro, a busca se fazia muito difícil. O pânico onipresente e os milhares de cadáveres complicavam sua tarefa. Ao que parece, eram os únicos que ainda permaneciam vivos neste imenso cemitério, onde as aves, outros animais e as pessoas morreram. Valia a pena continuar procurando, se de todo modo morreriam?
Isso era exatamente o que perguntava Seth. Logo depois dos primeiros tremores, a parte principal de suas brigadas partiu; os que riram incrédulos ante o profetizado final de seu mundo, apressavam-se a escapar de sua desobediência às leis de Deus, embora para muitos já era muito tarde. Seth se deu conta de que esta rebelião contra as leis celestiais havia, inclusive, acelerado o processo inevitável. Ficou sozinho, estupefato e sem compreender o que fora de sua honra e seu reino perdidos.
Horus deu aos homens restantes a liberdade de partir em ordem e decidiu ficar atrás e procurar seu tio, para matá-lo em vingança por seu pai. Agora havia dois homens no bosque, cujas cabeças estavam abarrotadas com os trágicos acontecimentos, sabendo ambos que um deveria matar ao outro ou não sobreviver.
Uma vez mais, a fúria celestial se desatou. O tumulto no porto agora estava em seu ponto máximo. Centenas de milhares se empurravam na densa névoa para poder abordar alguma nave. Não tinha soldado que pudesse cumprir com seu dever nesta massa de gente que se atropelava à caminho da morte. As primeiras filas simplesmente foram jogadas na água. Nesse momento, quão rebeldes ainda ficavam chegaram ao porto. Com uma desumana violência abriram passagem para os botes. Tudo o que se interpunha em seu caminho era lançado na água ou assassinado, logo depois do qual, os soldados formaram redemoinhos frente aos navios. Mas por causa de seu medo, cometeram os mesmos enganos que aqueles que os precederam, pois sobrecarregaram os botes com muitos homens. Em questão de segundos afundaram e os afogados se uniam às pilhas de corpos flutuantes. Outros se dirigiram ao porto real onde se levava a cabo o êxodo com toda calma, mas com grande apuro. Os rebeldes provocaram um grande derramamento de sangue e enfiaram-de de volta ao mar em navios furtados. Felizmente, o supremo sacerdote e sua família, junto com outras naves que também transportavam sacerdotes, já tinham partido. Devido à densa névoa, não lhes era possível ver ou ouvir nada a respeito deste criminal episódio no último dia de seu reinado.
Enquanto isso, os comandantes se aproximavam uns aos outros sem que se dessem conta. A névoa os fazia invisíveis e inaudíveis entre si. Seth olhou a seu redor quando uma rajada de vento rasgou a névoa; então viu Horus, que estava meditando a uns vinte metros de distância. Cheio de ódio e sofrimento, com o desejo de matar o filho de seu irmão, deu um passo adiante. Outra vez a Terra tremia e se expandia uma temerária sinfonia, cuja fantasmagórica imagem era pesada e sinistra. A lava voltava a correr, continuando seu destrutivo trabalho. As árvores se quebravam como se só fossem pequenos ramos e logo ardiam em chamas. O fogo rugiente matava tudo o que encontrava em sua passagem, tanto vegetal como animal. Nada podia escapar a isso. Um desagradável aroma acompanhava todo esse panorama. Seth, quem nesse momento se encontrava só a três passos de seu sobrinho, caiu presa do medo; um pânico irracional se apoderou dele e atacou sem pensar. Seu grito se perdeu no ruído ensurdecedor do bosque envolto em chamas, quando sua espada roçou o ombro de Horus; com outro golpe pegou à cara de seu sobrinho. Horus estreitou suas mãos frente a seu rosto e logo estas começaram a sangrar. Seth estava seguro de sua vitória e escapou, tratando de fugir da corrente de lava que se aproximava. Embora Horus ainda estivesse vivo, com segurança morreria nessa corrente de fogo fantasmagórico. Umas enormes nuvens ardentes provinham da lava, a qual serpenteava emitindo monstruosos assobios. Cada vez se aproximava mais ao filho de Osiris quem, só e muito ferido, ficara a mercê dos céus. Perdera seu olho direito e o outro estava cheio de sangue, tinha um joelho destroçado e um ombro quebrado, mas ainda estava vivo, embora não podia ver nem mover-se. Sabia que o inferno se abatia sobre ele e tinha a esperança de que Isis e o resto de sua família pudessem escapar a tempo. O arroio fervendo chegou às árvores próximas e os destruiu em apenas uns segundos. Um profundo suspiro escapou de seus pulmões e sentiu o intenso calor que breve o queimaria até convertê-lo em cinzas. Então se produziu o milagre. Horus jazia sobre um afloramento de granito, dado que a lava não poderia passar por ali; mas bem só poderia rodeá-lo, deixando-o a salvo por algum tempo.
Na costa, por fim Nepthys teve êxito. Divisou uma pequena baía com uma enorme figueira. Ali, em um ramo que se encontrava sobre a água estaria pendurado o couro que guardava o corpo de Osiris. Comprovou que isto era certo. Isis suspirou com alívio, pois ao final, sua demora em abandonar esta terra tivera sua recompensa. As duas irmãs, com cuidado tomaram o couro e os soldados o colocaram em um dos pequenos Mandjits que havia por ali abandonados. Ao cabo de um curto intercâmbio de idéias, a rainha ordenou a sua irmã que se unisse a sua família junto com os soldados. Isis foi sozinha em busca de seu filho, que era o herdeiro legal do reino que agora se perdera e chegou ao palácio real onde Geb e Nut se dispunham a partir. Estiveram aguardando as notícias de seu filho e neto, desesperadamente. Confrontados com a resoluta decisão de Isis de procurar a seu filho, Geb deu suas últimas ordens. Sem mais demora, Nut e os restantes chefes deviam ir-se, sendo seu lugar do destino, ali onde terminava o parque e começava o canal. Duas fortes galeras que eram suficientemente resistentes para navegar pelos mares mais bravios os aguardavam. Um novo país necessitaria uma nova mãe, senhora de um novo céu, a qual, em ausência de Osiris e Horus, devia ensinar aos sobreviventes como viver em sua segunda pátria. Seu nome seria Ath-Ka-Ptah, cujo significado literal era “Segunda Alma de Deus”, o qual logo seria trocado foneticamente pelos gregos pelo Ae-Guy-Ptos (ou Egito, em castelhano).
Nut, a quem não lhe gostara de ter que deixar a seu amado, foi arrastada pelos incontroláveis elementos. Uma enorme explosão no centro da capital sacudiu aos sobreviventes, impelindo-os para o caos. Geb, que decidira acompanhar a sua filha, apoderou-se de vários cavalos para poder movê-lo mais rápido possível. Assim que viu todo esse dano e caos, duvidava de que Horus ainda estivesse com vida. Mas Isis não queria ouvir falar de abandonar a busca. Com confiança inspirou-se a continuar, embora não era uma tarefa fácil em meio da névoa. De repente e de um nada, começou a clarear e pela primeira vez houve luz esse dia. A atividade vulcânica na distância, tendo lançado milhares de toneladas de lava, deteve-se e um silêncio sobrenatural os rodeou. Isto teria que ajudá-los a encontrar ao Horus! Mas onde buscá-lo? Isis estendeu seus braços para o céu e rezou: “Oh, Ptah-Hotep, rei dos céus, abre suas eclusas e detêm o fogo; salva ao filho de seu filho! Ordena que este dia do grande cataclismo não se converta no dia do grande luto. Oh, Ptah-Hotep, rei da terra, ordena que o grande arroio abra todas as suas reservas!”
Seis mil anos depois, esta prece está cinzelada em todas as tumbas do vale dos reis de Luxor, e também em Dendera. E nos anais do livro The Four Times [As quatro vezes] lê-se: “A prece de Isis foi respondida e uma chuva avermelhada se pulverizou sobre a terra, como se o sangue dos mortos se esparramasse sobre a terra rasgada”. Ao cabo de algumas horas, a lava se esfriou e para Isis e Geb era difícil subir por ela. A rainha, desesperada pela tristeza, não sabia que caminho escolher nesta desolada paisagem. Como seu pai, estava completamente molhada e exausta, e logo que podia mover-se por entre as rochas endurecidas. Então, Isis viu o corpo que estava procurando… e parecia mover-se! Lágrimas de alegria brotaram de seus olhos. Horus pensou que estava alucinando, pois não podia ser que sua mãe estivesse tão perto. Mas uma mão o tocou e uma voz amorosa lhe falou: “Já não tenhas medo meu filho, Deus me mostrou o caminho para chegar a ti e te salvar”.
Isis, em sua mão, juntou um pouco de água que brotava da rocha e lavou o sangue do olho que Horus não se machucou, então ele pôde ver sua mãe e também chorou de alegria. Tratou de parar, mas cairia pesadamente se seu avô não o sustentasse, como resultado de seu joelho destroçado. Com a ajuda de Isis, tomaram pelos ombros e muito devagar o levaram para os cavalos que aguardavam pacientemente. Ali, Geb falou com uma voz que não admitia réplica alguma: “Isis, deve ir imediatamente, Osiris escondeu um Mandjit sob um teto no Lago Sagrado. Apressem-se os dois para chegar ali e vão o mais rápido possível ao mar aberto. Há só um par de remos a bordo e lhes resultará fácil partir. Eu sou virtualmente um peso morto para ir com vocês; além disso, ainda devo arrumar alguns assuntos no palácio. Não pensem em mim, é uma ordem! Só pensa em seu filho. Agora, vão”.
“Mas, pai!”
“Vão-se, é uma ordem!”
Era impossível opor-se a sua decisão e Isis se foi, com seu outro cavalo atrás dela. Durante a travessia falou com seu filho de maneira alentadora. Ela sabia que o sofrimento devia ser insuportável e tratava de lhe fazer esquecer a dor por um momento. Chegaram ao navio sem nenhuma dificuldade. Isis se sentou no lugar dos remos e começou a remar com vigor para o estreito, onde provavelmente poderia trocar por um navio maior e Horus poderia ser cuidado por outros sobreviventes. Logo depois de ter acontecido o canal grande e o pequeno, produziu-se o primeiro choque sísmico verdadeiro. A terra foi jogada para os céus, enquanto uma intensa luz cintilante atravessou o céu antes de desaparecer nas águas, em dantescas chamas saltitantes. Horus não se deu conta de nenhuma destas convulsões da terra, pois estava inconsciente.
Durante esse dia -dia que aparentemente nunca chegava a seu fim (27 de julho)-, o destino de Aha-Men-Ptah ficou selado. No extremo meridional do continente que se afundava, flutuavam os Mandjits considerados como impossíveis de afundar-se e agora chegara o momento de provar sua reputação. No Ocidente, o céu ainda brilhava com uma cor púrpura, por causa dos acontecimentos produzidos pelo cataclismo. Mas na verdade era o Oeste? Avistava-se uma tormenta, entretanto, ondas de vários metros de altura estouravam contra os Mandjits. A água entrava pelos ocos das embarcações fazendo difícil que estas se mantiveram direitas. Logo depois de um período relativamente tranqüilo, a violência voltou a desatar-se. Desta vez foi um ciclone e alguns dos navios de papiro fizeram-se migalhas. Nestas enormes massas de água, os capitães sobreviventes dos navios trataram de lutar contra o terror da natureza. Ainda não tinham ultrapassado o limite do impossível. No céu púrpura que agora estava tranqüilo, de repente viram sair o Sol com movimentos abruptos e observaram-no com angústia. Aferraram-se aos corrimões dos navios para certificar-se de que ainda estavam a bordo. Uns minutos mais tarde, o Sol voltou a desaparecer e sobreveio a noite. Para seu assombro, as estrelas também adotaram esse ritmo rápido; logo a Lua apareceu e se moveu com tal velocidade pelo céu que parecia que se chocaria com a frota. A noite inteira sobreveio em menos de uma hora. Ninguém sabia o que estava acontecendo, ninguém podia dizer se este dia seria seguido por outro ou não.

O horizonte se manteve cor carmim, com uma claridade sobrenatural, fantasmagórica e enigmática. Todos pensavam que seu final chegara, como assim também chegara o fim do mundo, por obra de titânicos terremotos. Tudo se fora, exceto a bruma.
No horizonte a calma reinava outra vez. Um jorro de pedras incandescentes foi lançado na lonjura e o mar turbulento se acendeu. Enquanto caía uma chuva de fogo, os sobreviventes se deram conta de que presenciaram as últimas convulsões de Aha-Men-Ptah. Para muitas pessoas era muito duro de acreditar, pois por gerações e gerações sua terra fora o centro do mundo e agora caía em pedaços, mesclando-se com as águas que se elevavam, abandonando-os. Os que tinham boa vista puderam ver através de uma névoa púrpura que as últimas montanhas desapareceram sob as águas. Nada ficara! Nada!
Este afundamento elevou o nível das águas. Uma onda gigantesca, de doze metros de altura e vários quilômetros de largura se aproximou envolvente para eles, destruindo tudo por onde passava. Centenas de pessoas foram jogadas no mar mas, felizmente, muitos se ataram aos mastros, com as cordas que penduravam das velas. Isis e Horus ataram-se sujeitos em seu navio perdido, igual a Nepthys, Nut e seus companheiros. E Seth também! Ele planejou para escapar e agora procurava os “Filhos da Rebelião”.
Enquanto isso, Horus começou a desenhar estratégias tratando de esquecer sua insuportável dor. Não se salvaria permanecendo em seu navio; a fim de sobreviver, devia escolher um lugar do destino onde pudesse desembarcar sem perigo. Perguntava-se como poderia acontecer tudo isto. Do “Mestre das Combinações Matemáticas Celestiais” tinha aprendido que a Terra era uma esfera, igual à Lua e o Sol. A observação, seguida por minuciosos cálculos de figuras geométricas formadas pelos planetas e os corpos celestiais, revelaram uma única lei universal, a qual conduziu a este grande cataclismo. Mas a Terra continuaria existindo, embora destruída em sua maior parte pelos acontecimentos. Isto era algo esperançoso.
De repente, Horus se deu conta de que os Mandjits não se manteriam a flutuação. Foram tratados com betume e este já estava derretendo por causa do calor. Logo começariam a ter infiltrações e desapareceriam nas profundidades. Depois deste descobrimento, voltou a dormir e encher-se de sonhos. Perguntava-se por que os sacerdotes apontavam à falta de crença como a causa principal do cataclismo. Acaso seu Criador não sentia nenhuma piedade por eles? Ele teria que começar tudo de novo para poder compreendê-lo. Um grito de sua mãe o devolveu à realidade. Abriu o olho que restara, que por certo tinha severas feridas, e através da bruma perguntou: “Há algum problema com os Mandjits, mãe?”
“Não, é o dia, o qual aparentemente está começando pelo lado correto”.
“Pelo lado correto? Isso é impossível! Isso seria possível só se estivéssemos na direção equivocada”.
“Por certo que é o Este, Horus, porque há terra visível no Oeste”.
A nova adivinhação deixou Horus perplexo; já era hora de encontrar uma solução para todos estes acontecimentos apocalípticos. Um clamor angustiante provinha de todos os navios quando viram este inexplicável movimento do Sol. Todos estavam aterrorizados. Mas o dia transcorreu com o Sol do lado equivocado, sem que nada acontecesse e a paz foi restituída. Isis mudou a roupa e foi reconhecida por seu povo. Quando estiveram perto, ela falou com voz estentórea: “Falo- com todos, se estiverem dispostos a viver em paz com Deus, quem os criou a sua imagem, então uma segunda pátria os aguarda: Ath-Ka-Ptah. Ali, os raios de um segundo Sol se encarregarão de nossa ressurreição”.
Em outro navio, Nepthys pensava. Na proa se encontrava o corpo de seu querido irmão, envolto a salvo no couro do touro. De repente ela “viu” uma pessoa morta! Algo que não tinha como explicar…
Então se encheu de regozijo; compreendeu que um milagre se produziu. Frente a ela, Osiris apareceu no céu estrelado. Ele, que tinha nascido como um Deus e associado com esta constelação, renascia no céu! Seu Pai, para lhes fazer saber de sua onipresença em toda circunstância, deu vida outra vez a seu Filho!
Nepthys não sabia por que, mas de repente se sentiu cheia de confiança em si mesmo.

***
Aqui a história dos mortos da Atlântida chega a seu fim. Isso segundo o que Albert Slosman escreveu em seu livro “O Grande Cataclismo”.

A constelação de Órion – nome com o qual Osiris foi designado -, achará sua imagem na Terra nas três pirâmides de Giza. O fato de que Órion (Osiris) voltou a “despertar” no céu estrelado, converter-se-á na força condutora que sustenta a religião estelar egípcia. Todos os posteriores faraós que foram sucessores quiseram “renascer” na abóbada de estrelas, como o fizera seu ilustre predecessor. Por isso, as pirâmides estão construídas a semelhança das estrelas; a culminação do ciclo real de nascer de novo. Em essência, uma religião apoiada em estrelas se gerou a partir da crença de que os reis mortos se converteriam em almas estelares. Esta religião duraria mais de 9.000 anos!

Os faraós se consideraram a si mesmos como os seguidores de Horus reencarnado, o Vivente. Quando morressem, renasceriam a fim de poder elevar-se às estrelas. Todos os funerais tiveram lugar na margem ocidental do Nilo, onde a comarca das pirâmides simbolizava a área que rodeava Órion nas “bordas” da Via Láctea. O traslado dos corpos mortos margem oposta do Nilo era uma simbólica passagem ritual da alma para o outro lado do Nilo celestial (a Via Láctea), onde se encontrava o paraíso celestial e onde Osiris empunhou o cetro. Agora todos podem compreender por que: Órion (Osiris) foi o primeiro rei-Deus que ressuscitou, por isso o monumento ereto em seu nome é a maior obra “arqueo-astronômica” da ressurreição que jamais tenha existido!

Existem aqueles que dizem quê: Vênus fez e fará um giro planetário retrógrado em cima de Órion. Este está também atrás do signo estelar de Gêmeos. Esta trajetória de Vênus só aconteceu e acontecerá no início e no final ao longo de 11.000 anos, e foi em 9792 a.C e será no próximo 2012!

Quem viver… verás!!!

5 respostas para O Grande Cataclismo: Ano 9792 a.C.

  1. FIK disse:

    Caro colega, qual a fonte deste artigo?
    abs e parabéns pelo “blog”…

    • Claudio Bastian disse:

      Olá Fik!
      Grande parte foi retirado do livro de Patrick Geryl – “A Profecia de Orion”

      Desde já agradeço os elogios. Estamos apenas contribuindo em prol ao conhecimento geral.

  2. Ari Ramalho disse:

    Caro amigo por favor me dica onde posso encontrar esse livro o grande cataclismo do Albert Slosman mencionado no post. meu contato é 11 967889705-ari.

  3. Rivaldo. disse:

    Belo “Conto”. Se não fosse ficção!!! Prende o leitor do começo ao fim, rsrsrs.

    Rivaldo de Azevedo.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: